Visite esta loja

Visite esta loja
Que 2016 venha com muita paz, amor, felicidades e realizações! https://www.magazinevoce.com.br/magazineanisiaa/ https://www.facebook.com/magazineanisiaa/
Loading...

segunda-feira, 29 de outubro de 2012

Mercado Popular tem espaço dedicado aos artesãos nilopolitanos

espacamento
Noticia
Inaugurado em Janeiro de 2010, o Mercado Popular de Nilópolis não recebeu apenas os ambulantes que trabalhavam no calçadão da Avenida Mirandela. Quem entra no espaço situado na Avenida Getúlio de Moura, 1699 no Centro do município já avista no lado esquerdo o espaço destinado ao artesanato nilopolitano.

O artesanato é tradicionalmente a produção de caráter familiar, na qual o produtor (artesão) possui os meios de produção (sendo o proprietário da oficina e das ferramentas) e trabalha com a família em sua própria casa, realizando todas as etapas da produção, desde o preparo da matéria-prima, até o acabamento final; ou seja, não havendo divisão do trabalho ou especialização para a confecção de algum produto. Em algumas situações o artesão tem junto a si um ajudante ou aprendiz.


No local os artesãos nilopolitanos podem vender os seus produtos e ainda produzir na hora algumas de suas peças, pois o espaço é bem organizado. “É bonito ver o pessoal fazer na hora os produtos, é tanta coisa bonita que dá gosto de comprar”, disse a comerciante Luiza Miranda.


Assim como a comerciante, outros moradores de Nilópolis já se tornaram clientes fiéis do espaço que é administrado pela Prefeitura em parceria com a Associação de Artesanato Tesourão Art & Cor. “Venho sempre aqui, tem muitas peças bonitas e sempre compro algo pra levar pra minha casa ou dar de presente”, contou Jurandir Lemos.


E opções de presentes é o que não faltam no Mercado Popular, há caixas de madeira com reciclagem, biscuit, quadros, miniaturas, bijuterias, tricot, crochê, pano de prato pintado, macramê, enxoval de bebe, ponto cruz, bolsas, camisas, patina, fantoche, enfim, uma grande variedade de produtos que são produzidos aqui no município por nilopolitanos. “É importante valorizar o que é nosso, eu sempre que posso entro e visito as barracas, o povo deveria fazer o mesmo”, convocou a aposentada Solange Nascimento.


Marilac Estruc, presidente da Associação de Artesanato Tesourão Art & Cor, explicou que o espaço foi conquistado com muito trabalho. “Foi uma luta árdua para que autoridades, empresas e instituições entendessem que não somos ambulantes e sim artistas”, diz ela acrescentando que o Mercado Popular de Nilópolis funciona de segunda à sábado, de 8h às 20h e o espaço Tesourão Art & Cor fica no primeiro piso no setor amarelo, junto à rampa de acesso ao segundo piso.

Outras Noticias

 

domingo, 28 de outubro de 2012

MAIS UM CASO DENTRE TANTOS... E ASSIM SEGUE O MUNDO.



 
NESTE CASO FICO PENSANDO, O QUE PASSA PELA CABEÇA DESTE IMBECIL QUE AGREDIA DO NADA OS ANIMAIS NO EXERCÍCIO DO SEU TRABALHO.
.
Donos de cães agredidos se revoltam em pet shop denunciado no Rio

Flagrante foi feito por um cinegrafista amador e mostrado no RJTV.

Cachorros recebem água no focinho e levam pancadas na cabeça.

Donos de cães agredidos, clientes e vizinhos do Pet Shop Quatro Patas, que fica na Rua Pernambuco, no Engenho de Dentro, Subúrbio do Rio, se reuniram revoltados, na tarde desta quinta-feira (18), em frente ao estabelecimento onde uma testemunha gravou imagens de maus-tratos contra os animais. Eles pedem por justiça e querem explicações dos donos.

A testemunha, que não foi identificada e gravou o vídeo, ficou indignada com as agressões. De acordo com ela, os maus-tratos eram constantes e os animais chegavam a gritar de dor. Alguns até saíam machucados e traumatizados com as pancadas.

A técnica de enfermagem Isis Álvaro Duarte é dona do yorkshire que também aparece levando socos no vídeo. Ela se disse chocada e revoltada. "A dona parecia muito boazinha com todo mundo, dava brinquedos para os cachorros. O filho dela eu conheço desde a época da escola, nunca imaginei", disse ela, com o cão Oliver, de 4 anos, no colo.

De acordo com o veterinário da Secretaria de Proteção aos Animais Alceu Cardoso, a Prefeitura vai publicar nesta quinta-feira (19) a suspensão temporária do alvará de funcionamento da clínica.

Funcionário De Pet-Shop Agride Animais No (Rio De Janeiro)



Agentes do 3º BPM (Méier) foram acionados para uma confusão no Pet Shop Quatro Patas, que fica na Rua Pernambuco, no Engenho de Dentro, no subúrbio do Rio. Imagens gravadas há cinco meses por uma testemunha mostram que animais eram maltratados por um funcionário do estabelecimento.

Segundo a Polícia Militar, há informações que donos de outros animais também atendidos no Pet Shop Quatro Patas querem linchar a proprietária do estabelecimento.

A testemunha, que gravou o vídeo, ficou indignada com as agressões. De acordo com ela, os maus-tratos eram constantes e os animais chegavam a gritar de dor. Alguns até saíam machucados e traumatizados com as pancadas.

Procurada pela equipe do RJTV, a dona do estabelecimento, Solange Barroso, ficou surpresa com as denúncias. Ela disse que nunca recebeu reclamações de maus-tratos.

Solange reconheceu o agressor dos animais como o próprio filho - Daniel, de 20 anos. No entanto, mesmo aparecendo nas imagens, ela negou que soubesse das agressões. Na falta de funcionários, ele chegou a trabalhar na loja alguns meses atrás. Atualmente, tem a função de levar e buscar os cachorros em casa.

"Isso não era do meu conhecimento. São coisas que acontecem no momento e que não dar você controlar. É so isso que posso dizer. Pedir mil desculpas porque realmente, eu não tenho nem o que dizer", contou Solange.

Na gravação, há tapas, socos, xingamentos e objetos na cabeça dos animais. Água abundante no focinho a fim de afogar o animal, garrafadas. Além disso, patas e focinhos eram amarrados com objetos inadequados.

"Entendo que quando você leva um animal para fazer um determinado serviço, ele tem que ser feito e ter um prazer a mais, que é um carinho, entendeu? O animal tem sentimento. Já lá não era bem assim, já era água gelada, amarrava a boca e socos", revelou a testemunha.

O flagrante mostra que o cachorro está dentro do tanque e recebe o primeiro soco. Em seguida, o funcionário amarra com força o focinho do animal, dá tapas, empurrões e uma sequência de socos. O cachorro se acalma. Já dominado, recebe muita água no focinho, novos tapas e empurrões.

As agressões também acontecem com os cachorros pequenos e tranquilos. Mas as cenas mais chocantes são com um cachorro da raça labrador. O animal, mesmo dominado, recebe uma sequência de socos na cabeça. Ele apanha praticamente durante todo o banho, que dura 15 minutos.

Pelas imagens, é possível observar que o funcionário usa uma garrafa de plástico para agredir o cachorro. Em seguida ele pega outro frasco de xampu para bater no animal. As agressões não param. O cachorro não reage, está aparentemente calmo, mas continua recebendo socos.

A dona do labrador, Vera Fernandes, mora sozinha com Thor, de 5 anos. Ela contou que o cachorro toma banho no pet shop duas vezes por mês há um ano. E disse que nunca desconfiou de nada errado.

"Eu estou chocada. Eu nunca imaginei que eles pudessem fazer uma coisa dessas. Se não tem paciência com animal, para que abre um estabelecimento para cuidar de bicho?", indagou Vera

Não se intimidem com a página Fora Ricardo Gama criada no Facebook para ...

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Cultura e literatura - Anisia Nascimento: Affonso Romano de Sant'anna

Cultura e literatura - Anisia Nascimento: Affonso Romano de Sant'anna

Cultura e literatura - Anisia Nascimento: Affonso Romano de Sant'anna

Cultura e literatura - Anisia Nascimento: Affonso Romano de Sant'anna

Affonso Romano de Sant'Anna, Mário Castello e Zulmira Furbino - Riquezas...

Anisia Nascimento - educação: Três Teorias Gognitivas - Bruner, Piaget e Vygotsk...

Anisia Nascimento - educação: Três Teorias Gognitivas - Bruner, Piaget e Vygotsk...: Universidade do Estado do Rio de Janeiro Faculdade de Educação Disciplina: Aprendizagem Professor: Pedro Humberto Aluna: A...

Affonso Romano de Sant'Anna - Sem Censura (04/10/12)

Affonso Romano de Sant'Anna - Conexão Roberto D'Ávila (30/10/2011)

Affonso Romano de Sant´anna.

Crianças na culinária

Turquia apela ao cessar-fogo na Síria mas contínua a bombardear as tropa...

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

Anisia Nascimento - educação: Fichamento do texto A Maquinaria Escolar de Julia ...

Anisia Nascimento - educação: Fichamento do texto A Maquinaria Escolar de Julia ...: UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Faculdade de Educação Trabalho da disciplina História d...

Fichamento do texto A Maquinaria Escolar de Julia Varela e Fernando Alvarez-Uria






UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Faculdade de Educação











Trabalho da disciplina História da Educação








Por:
        Anisia Sampaio do Nascimento








Trabalho apresentado à professora Alexandra Lima da Silva

Universidade do Estado do Rio de Janeiro
2012/01









Faculdade de Educação
Disciplina: História da Educação
Professora: Alexandra Lima da Silva
Aluna: Anisia Sampaio do Nascimento






A Maquinaria Escolar


Imagem do vídeo – A Maquinaria Escolar



 As condições sociais e históricas que estabeleceram a escola como instituição universal e eterna, a análise de instâncias que favoreceram e legitimaram a escola nacional, a definição de um estatuto da infância, a destruição de outras formas de socialização, a imposição da obrigatoriedade escolar e o controle social são assuntos abordados no texto A Maquinaria Escolar de Julia Varela e Fernando Alvarez-Uria.



Imagem do vídeo Escola X Fábrica



Fichamento do texto A Maquinaria Escolar de Julia Varela e Fernando Alvarez-Uria
             In:
             Teoria e Educação, n.6 p. 68-96, Porto Alegre, 1992

A universalidade e a pretendida eternidade da Escola são pouco mais do que uma ilusão. Os poderosos buscam em épocas remotas e em civilizações pres-tigiosas - especialmente na Grécia e na Roma clássicas - a origem das novas instituições que constituem os pilares de sua posição socialmente hegemônica.

...Os escassos estudos que procuram analisar quais são as funções sociais  cumpridas pelas instituições escolares são ainda praticamente irrelevantes frente a história da educação e a todo um enxame de tratados pedagógicos que contribuem para alimentar a rentável ficção da condição natural da escola”. (P. 68,1º parágrafo)

“Aqui se procurará mostrar que a escola primária, enquanto forma de socialização privilegiada e lugar de passagem obrigatório para as crianças das classes populares, é uma instituição recente cujas bases administrativas e legislativas contam com pouco mais do que um século de existência. De fato, a escola pública, gratuita e obrigatória foi instituída por Romanones em princípios do século XX convertendo os professores em funcionários do estado e adotando medidas concretas para tomar efetiva a aplicação da regulamentação que proibia o trabalho infantil antes dos dez anos. A escola nem sempre existiu, daí a necessidade de determinar suas condições históricas de existência no interior de nossa formação social.”  (P.68, 2º parágrafo)

“Que caracteriza fundamentalmente esta instituição que ocupa o tempo e pretende imobilizar no espaço todas as crianças compreendidas entre seis e dezesseis anos? Na realidade, esta maquinaria de governo da infância não apareceu de súbito, mas, ao invés disso, reuniu e instrumentalizou uma série de dispositivos que emergiram e se configuraram a partir do século XVI. ... (P. 69 – 1ª parte do 1º parágrafo) 

“Limitar-nos-emos pois simplesmente a esboçar as condições sociais de aparecimento de uma série de instâncias no nosso entender fundamentais que, ao se amalgamar em princípios desse século, permitiram o aparecimento da chamada escola nacional: 

1- A definição de um estatuto de infância
2- A emergência de um espaço específico destinado à educação das crianças
3- O aparecimento de um corpo de especialistas da infância dotados de tecnologias específicas e de “elaborados” códigos teóricos
4- A destruição de outros modos de educação
5- A institucionalização propriamente dita da escola: a imposição da obrigatoriedade escolar decretada pelos poderes públicos e sancionada pelas leis”. (P. 69 – 2º parágrafo)

“Os reformadores católicos, sobretudo a partir do cisma, ao mesmo tempo que utilizam todos os meios a seu alcance para ocupar postos de influência ao lado dos monarcas (fazendo valer seus saberes na corte, erigindo-se em conselheiros e confessores reais), porão especial empenho em constituir-se como preceptores e mestres de príncipes e ainda mais, é claro, se são príncipes herdeiros. Procurarão igualmente educar os novos delfins das classes distinguidas em colégios e instituições fundadas para eles (destacam-se neste sentido os jesuítas que constituem a primeira legião)...”. (P. 70 – último parágrafo) 

“Erasmo, Vives, Rabelais, Lutero, Calvino, Melanchthon, Zwinglio entre os protestantes-definirão em seus escritos a infância dotando-a de algumas propriedades nada alheias aos interesses de seu apostolado, propriedades que, por outro lado, pesarão enormemente em posteriores redefinições da mesma. .... Os diferentes autores divergem notavelmente não só a respeito dos períodos que denominam a infância, puerícia e mocidade, mas também a respeito do momento em que convém começar a ensinar aos pequenos as letras. ...”(P.71 – último parágrafo)

“Veremos com mais detalhamento, quando nos ocuparmos da constituição dos espaços dedicados a instrução da infância, que será nesta espécie de laboratórios, onde emergirão e se aplicarão práticas concretas  que contribuirão para tornar possível uma definição psicológica da infância”. ...(P.72 – 3º parágrafo)

“Será pois nestes espaços que começam as graduações por idade, paralelamente a uma tutela cada vez mais individualizante:

            ‘Sejam todos quietos, modestos e bem cristãos, falem sem suas conversas de Deus ou de coisas dirigidas a seu serviço, procurem bons companheiros, ouçam missa todos os dias, confessem cada mês se for possível com o mesmo confessor, façam exame de consciência diário, tenham especial devoção cotidiana ao anjo da guarda, não entrem na escola com armas, não jurem juramente algum, não joguem jogos proibidos, sejam obedientes ao Reitor e a seus professores; e saibam que, por suas faltas, se são meninos serão castigados pelo corretor, e se são grandes serão repreendidos publicamente, e se não se emendarem expulsos com ignomínia da escola’.”. (p.72/73 – 4º parágrafo – citando Padre Nadal)

 



Imagem do vídeo Escola X Fábrica
“...
A estas práticas educativas familiares e institucionais junta-se uma vigilância multiforme dos jovens; direção espiritual, imposição de uma linguagem pura e casta,...”.(P.73 – último parágrafo)

Philippe Ariès
Historiador Francês

“ Um dos grandes méritos de Philippe Ariès é ter demonstrado que, a infância, tal como a percebemos, começa-se a configurar fundamentalmente a partir do século XVI...”.(P.74, 2º parágrafo)
“As artes plásticas revelam, segundo o mesmo autor, que a nova percepção da criança está em principio ligada a icnografia religiosa. ... a icnografia laica apresenta crianças misturadas com adultos em cenas de festas e jogos...”. (P.74-75, último parágrafo da p.74)





“...
Ariès ajuda-nos a compreender como se elabora historicamente o estatuto de infância, contudo a perspectiva de análise e o material que utiliza marcam a direção do seu trabalho. Relaciona a constituição de infância com as classes sociais, com a emergência da família moderna, e com uma série de práticas educativas aplicadas especialmente nos colégios.  Mas relega a um segundo plano um tanto longínquo as táticas empregadas no recolhimento e moralização dos meninos pobres...”. (P. 75, último parágrafo)


A escola e a regulamentação da vida





“ ‘emergência de um dispositivo institucional: o espaço fechado
            A partir de um certo período (...), e, em todo caso de uma forma definitiva e imperativa a partir do fim do século XVII, uma mudança considerável alterou o estado de coisas que acabo de analisar. Podemos compreendê-la a partir de duas abordagens distintas. A escola substituiu a aprendizagem como meio de educação. Isso quer dizer que a criança deixou de ser misturada aos adultos e de aprender a vida diretamente, através de contato com eles. A despeito das muitas reticências e retardamentos, a criança foi separada dos adultos e mantida à distância numa espécie de quarentena, antes de ser solta no mundo. Essa quarentena foi a escola, o colégio. Começou então, um longo processo de enclausuramento das crianças ( como dos loucos, dos pobres e das prostituas) que se estenderia até nossos dias e do qual se dá o nome de escolarização’.”. (P.76 – citando Philippe Ariès)

“ As novas instituições fechadas, destinadas ao recolhimento e instrução da juventude, que emergem a partir do século XVI ( colégios, albergues, casas prisões, casas de doutrina, casas de misericórdia, hospícios, hospitais, seminários...) têm em comum esta funcionalidade ordenadora, regulamentadora e sobretudo transformadora do espaço conventual. Entretanto, interessa-nos particularmente ressaltar que este espaço fechado não é em absoluto homogêneo. Em virtude da maior ou menor qualidade da natureza dos educadores e reformadores, determinada por sua posição na pirâmide social, irão diferir as disciplinas, flexibilizar os espaços, abrandar enfim os destinos dos usuários...”. (P.76 – último parágrafo)


Michel Foucault Por Ele Mesmo – (Michel Foucault Par Lui Même)


Formação de um corpo de especialistas
Este novo estatuto de mestre enquanto autoridade moral implica que, além de possuir conhecimentos, só ele tem as chaves de uma correta interpretação da infância assim como do programa que os colegiais têm de seguir para adquirir s comportamentos e os princípios que correspondem à sua condição e idade”. (P.79, p.80 – 3ºparágrafo)

Destruição de outras formas de socialização
 
A escola não é somente um lugar de isolamento em que se vai experimentar sobre uma grande parte da população infantil, métodos e técnicas avalizados pelo professor, enquanto “especialista competente”, ou melhor, declarado como tal por autoridades legitimadoras de seus saberes e poderes; é também uma instituição social que emerge enfrentando outras formas de socialização e de transmissão de saberes, as quais se verão relegadas e desqualificadas por sua instauração”. (P.83) 

Como é sabido, nesse processo, existiu uma gradual desvalorização das outras “diferentes e relativamente autônomas com relação ao poder político...”. (P.83 – 2º parágrafo)

“A periculosidade social, prisma através do qual a burguesia perceberá quase que exclusivamente, desde o século XIX, as classes populares, servirá de cobertura a uma multiforme gama de intromissões destinadas a destruir sua coesão assim como suas formas de parentesco associadas pelos filantropos e reformadores sociais ao vício, à imoralidade e, mais tarde, à degeneração. ...”. (P.86 – 1º parágrafo)

Institucionalização da escola obrigatória e controle social
 
A educação das classes populares e, mais concretamente, a instrução e formação sistemática de seus filhos na escola nacional, fazem parte, na segunda metade do século XIX e em princípios do século XX, das medidas gerais do bom governo: “...o operário é pobre e é forçoso socorrê-lo e ajudá-lo; o operário é ignorante e faz-se urgência instruí-lo e educá-lo; o operário tem instintos avessos, e não há outro recurso senão moralizá-lo se queremos que as sociedades e os estados tenham paz e harmoniza, saúde e prosperidade”. ( P.88 – citando P.P. Monlaur) Eis aqui, em resumo, o programa político destinado a resolver a questão social, a luta de classes, no interior da qual a educação ocupa um papel primordial”.(P.88 – 2º parágrafo)

 “A educação do menino trabalhador não tem pois como objetivo principal ensiná-lo a mandar, senão a obedecer, não pretende fazer dele um homem instruído e culto,...”. (P.90 – 1º parágrafo)

“... Não se trata pois de uma simples reprodução, mas, ao invés disso, de uma autêntica invenção da burguesia para civilizar os filhos dos trabalhadores.  Tal violência, que não é exclusivamente simbólica, assenta-se num pretendido direito: o direito de todos a educação”. (P.92 – último parágrafo)

Como é sabido, de acordo com Karl Marx, a submissão das massas está relacionada a falta de conscientização de que são explorados. Sendo assim, cabe a nós, professores e professoras a luta por uma escola justa, igualitária e de qualidade para todos e todas, pois só a educação muda pessoas para que,estas,possam transformar o mundo.

“Se a educação sozinha não pode transformar a sociedade, tampouco sem ela a sociedade muda”
Anisia Sampaio Nascimento/UERJ 2012

Anisia Nascimento - educação: A escola e a regulamentação da vida

Anisia Nascimento - educação: A escola e a regulamentação da vida: Por ColoquioMFoucault A MAQUINARIA ESCOLAR E OS PROCESSOS DE REGULAMENTAÇÃO DA VIDA: EMBATES E APRISIONAMENTOS

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Coreia do Norte, liberdade ou morte - Toda A Verdade [Sic-Noticias]

Chávez diz que Venezuela tem economia sólida

Em 10/10/2012 por
 
O presidente reeleito da Venezuela, Hugo Chávez, conversou hoje com jornalistas do mundo inteiro. Ele afirmou que o país tem uma democracia sólida e ressaltou o trabalho de alguns líderes em favor do Mercosul. Quem conta é a nossa enviada especial, Carina Dourado.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

História social da família e da infância

Hugo Chávez preguntas

Passe este vídeo adiante e ajude o Tânio a encontrar sua família

Curtumes provocam crise sanitária em Bangladesh

Por
Nova Délhi (Índia), 9 out (EFE).=. A indústria do couro em Bangladesh, que exporta principalmente para a China, EUA e países europeus, gerou entre seus mais de 10 mil trabalhadores "uma crise de saúde e segurança", segundo denunciou hoje a Human Rights Watch (HRW).
O pesquisador de saúde e direitos humanos da HRW Richard Pearshouse fez a denúncia em um relatório de 43 páginas apresentado nesta terça-feira sob o título de "Curtumes tóxicos: as consequências para a saúde do couro de Hazaribagh em Bangladesh". No bairro de Hazaribagh da capital Daca estão 90 % dos curtumes do país, onde a falta de controle sanitário causa a contaminação extrema de água, da atmosfera e do solo.lv IMAGENS HUMAN RIGTHS WATCH. EFE TV-Rio de Janeiro-11:00 GMT.

O TRABALHO E SEM CULTURA NÃO HÁ LIBERDADE

Por

Camelôs licenciados pela Prefeitura Municipal de Niterói, RJ, inclusive trabalhadores com deficiência que também pagam taxas à Secretaria Municipal de Fazenda para trabalharem na Rua Visconde do Uruguai, estão sendo discriminados ao serem removidos aleatoriamente dos seus tradicionais pontos de venda nos quais trabalhavam a mais de vinte anos, já que acabam tendo perdas nos ganhos dificultando a manutenção do serviço e o sustento das suas respectivas famílias.

Bancos e mesas de ferro e concreto que faziam parte da Praça dos Aposentados, localizada próxima a esquina da Rua Visconde do Uruguai, com Avenida Ernani do Amaral Peixoto, foram demolidos e ou retirados, antes da conclusão das obras de retirada do calçamento e antes que o asfaltamento da mencionada rua fosse iniciado, expondo a falta de sensibilidade do poder executivo no trato com o cidadão niteroiense.

___________

Moradores do Morro da Boa Vista que foram atingidos pelas chuvas do dia 6 de abril de 2010, se reúnem na Bica dos Caboclos, visando lembrar que até hoje se encontram efetivamente desassistidos pelo poder executivo de Niterói. Luiz Cláudio Fuly, por exemplo, teve o aluguel social suspenso e foi obrigado a retornar com a família para casa, apesar da moradia se encontrar em área de risco.
Este bloco do Programa IDEA, Sem cultura não há liberdade, conta com a participação do morador Antônio Carlos; do Juiz de Direito, Professor e Escritor João Luiz Pinaud; da Professora e Historiadora Kátia da Matta Pinheiro; do Professor e Jornalista Helio dos Santos e da Filosofa, Jornalista e Escritora Solange Rodrigues.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Hugo Chávez gana. Victoria del Pueblo de Bolívar. Elecciones Presidencia...

Por
071012 Esto es un avance, vídeo largo más tarde. Alerta, alerta que camina la espada de Bolívar por América Latina.

Primer boletín con tendencia irreversible
Ganó Chávez con 10% de ventaja sobre Capriles
Por: AVN / Aporrea.org | Domingo, 07/10/2012 10:11 PM

GANÓ, GANÓ, GANÓ, GANÓ

7 de Octubre.- El candidato socialista, Hugo Chávez Frías, obtuvo el 54,42% de los votos registrados en comicios presidenciales de este 7 de octubre, porcentaje que equivale a 7.444.082 votos, de acuerdo con el primer boletín emitido este domingo por el Consejo Nacional Electoral (CNE), con un 90% de las actas escrutadas.
La presidenta del CNE, Tibisay Lucena, anunció los resultados del proceso comicial, que también representó un récord de participación con 80,94% .

Por su parte, Henrique Capriles obtuvo el 44,97% de los votos, es decir, 6.151.544 sufragios.

Lucena, acompañada con el directorio del Poder Electoral, precisó que los resultados parciales se basaron en el escrutinio de 13 millones 677 mil 934 votos, e indicó que se evaluaron un total de 35.122 actas y que el número de votos nulos se ubicó en 273.954.

La presidenta ente comicial felicitó a las electores que salieron a votar este domingo y resaltó "la extraordinaria labor de la Fuerzas Armada Bolivariana y el Plan República en la colaboración a los proceso, así como de operadores del Poder Electoral".
http://www.aporrea.org/actualidad/n215791.html

Venezuela es Revolucionaria http://www.ciudadccs.info/wp-content/uploads/081012p03-241x300.png
http://www.ciudadccs.info/?p=344391
http://www.ciudadccs.info/wp-content/uploads/0810123.pdf

Presidente Chávez insta a seguir votando por la Patria
http://www.correodelorinoco.gob.ve/politica/presidente-chavez-insta-a-seguir-...

terça-feira, 2 de outubro de 2012